domingo, 20 de março de 2011

Fallout


O homem e a máquina.
O homem criou a máquina e eles passaram a andar juntos. Ficaram juntos o tempo todo. Até que o homem já não sabia mais viver sem a máquina.
Ele estava dependente. Estaria perdido e desolado caso se distanciasse da máquina. Ele parecia não conseguir se desvencilhar dela.
O homem então passou a usar a máquina para preencher seu imenso vazio.
O homem fez coisas grandes com a máquina. Ficou poderoso. E de tão poderoso ficou louco. Começou então a disseminar sua loucura através da máquina. O homem estava usando a máquina como instrumento de disseminação de sua ganância e ira.
Depois de um tempo, a máquina já não conseguia preencher o vazio do homem. O vazio agora estava muito maior.
O homem então lutou. Tentou se desprender da máquina, e, assim como ela, entrou em pane.
A passos lentos o homem foi se desvencilhando da máquina. Seus corpos, e vozes, que antes se confundiam tornando-os apenas um, agora já conseguiam ser distinguidas ecoando no infinito.
E se separaram. Se isso seria bom ou ruim, ninguém ainda saberia dizer. Tampouco saberiam dizer se o homem conseguiria sobreviver em sua existência distante da máquina. A única coisa que sabiam é que agora era possível ouvir o homem. Sua voz alí, separada totalmente da máquina, no fim da melodia.

"Estou andando na fumaça das pontes que queimei. Então não peça desculpas, estou perdendo o que não mereço. A culpa é só minha pelas pontes que queimei. Então não peça desculpas, estou perdendo o que não mereço. O que eu não mereço!"


Ao Mr. Hahn por ser um visionário e ao Chazy Chaz por continuar me lendo tão bem. Feliz Aniversário!
Inspirado na canção "Fallout" by Linkin Park

sexta-feira, 11 de março de 2011

Canção pra quando você voltar


Às vezes eu quero te proteger
Às vezes eu só quero olhar a vida passar pela janela
Às vezes eu só quero ir embora. "Essa cidade nos deixou loucos e nós devíamos ir embora"
E às vezes tudo o que eu quero é ficar
Às vezes eu sinto orgulho de quem eu me tornei
E às vezes eu me pergunto se "é isso mesmo que a gente achou que ia ser"
Às vezes "eu sinto a sua falta"
Às vezes eu não sinto nada. Às vezes eu canso de sentir
Às vezes você "é a voz dentro da minha cabeça"
Às vezes existem vozes demais. Às vezes eu "as ouço dizer"...
Às vezes bebo para esquecer dos problemas.
Às vezes bebo para criar mais alguns
Às vezes eu deixo a música me levar
Na maioria das vezes eu levo as músicas comigo
Às vezes eu quero tudo isso
Às vezes, na maioria das vezes, eu não sei o que eu quero
Às vezes eu tenho medo de escrever
É que às vezes isso tudo acontece
Às vezes eu queria voltar no tempo
Às vezes eu acho que jamais vou voltar a escrever
Às vezes eu finjo um amor
Na maioria das vezes todos eles são reais
Às vezes eu finjo!
Na maioria das vezes eu vejo.
"Eu vejo você"
Eu vejo todos os outros
Às vezes eu queria que você voltasse, mesmo sabendo que você nunca foi embora
Às vezes eu confio
Na maioria das vezes é em você
"Às vezes te odeio por quase um segundo. Depois te amo mais."
Às vezes eu lembro de quando você me lia
Às vezes eu leio "furacão"
Às vezes eu lembro dele
E às vezes eu acho que ele também lembra de mim
Às vezes eu vejo aviões
E às vezes eu vejo muito mais que do que isso
Às vezes eu não vejo nada
Muitas vezes eu quero ver. Eu não quero esquecer
Poucas vezes eu não quis ver nada
Às vezes eu ouço. Às vezes eu espero
Às vezes eu volto. Às vezes eu digo
E "quando você voltar eu tenho algumas coisas pra te dizer"
Hoje também é 11. Não demore...

terça-feira, 1 de março de 2011

Apenas Humano




Há um esquilo numa árvore. Será que ele está me olhando?
Será que ele se importa?
Será que ele liga pra quem eu sou?
Sou só um homem, é isso que eu sou.

Os meus modos são palavras mal entendidas ou apenas coisa do ser humano?
Sou humano.

Corvo assassino, hey o que você sabe?
Sobre o que você anda lendo?
O que você carrega em seus dedos?
Seria um graveto?
Seria você uma pomba da paz?
Um pombo preto disfarçado com outra peça do quebra-cabeça?
Uma charada a ser resolvida o tempo todo?
Ou eu estou pensando demais os pensamentos humanos afinal?
Apenas humano
Feito de carne, feito de areia, como um humano

O planeta está falando numa revolução
As leis da natureza não têm constituição
Eles têm o direito de viver suas próprias vidas
Mas nós continuamos nos preparando para o paraíso

Pois nós somos apenas humanos
Sim, nós somos
Apenas humanos
Se essa é a nossa única desculpa, você acha que vamos continuar sendo apenas humanos?

Sim, nós somos
Apenas humanos, apenas humanos, apenas humanos
Até agora

Em cima da árvore principal, a que ele plantou quando era só um garoto em 1923.
30 metros pé
Dê uma olhada, suba.
O que você vai encontrar é o produto de uma semente.
A semente está plantada, sozinha
Cresce por cima, com o coração cheio de amor
Nítida e abrigo dos animais da terra
E respiração do vento frio
Estamos todos respirando

O planeta está falando numa revolução
As leis da natureza não têm constituição
Eles têm o direito de viver suas próprias vidas
Mas nós continuamos nos preparando para o paraíso

Pois nós somos apenas humanos
Sim, nós somos
Apenas humanos
Se essa é a nossa única desculpa, você acha que vamos continuar sendo apenas humanos?

Sim, nós somos
Apenas humanos, apenas humanos, apenas humanos
Até agora

E esse lugar irá sobreviver a mim
Antes de ir pro céu eu vou subir naquela árvore
E eu vou ter que agradecer
Por me dar aquele galho para me balançar
Se algum dia eu me apaixonar
Eu vou ter que me dar um bebê
Eu vou deixar meus filhos terem o jeito deles

Pois eles são apenas humanos
Sim, eles são
Apenas humanos
Até agora,
Até agora...

Jason Mraz
Pois nós somos apenas humanos...