sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Me matando suavemente (my version)



"Seus dedos sobre o teclado
Vinham ferir minha dor
A cada acorde tocado
Na minha história
Compassos na minha vida
Descrita pelos seus versos
Em sua voz..."

Ouvi dizer que ele cantava uma boa música
Ouvi que ele tinha estilo
Então fui vê-lo
E escutá-lo um pouco
Já não era mais um garoto
Nem era estranho aos meus olhos

Me senti caindo em febre
Envergonhada por causa da multidão
Senti como se ele tivesse encontrado a história da minha vida
E estava lendo cada linha bem alto
Não queria que ele parasse
E ele simplesmente continuou

Ele cantava como se me conhecesse
Em toda a minha profunda escuridão
E ele olhou através de mim
Como se eu não estivesse alí
E ele continuou cantando
Cantando a minha vida com todas as letras

Dedilhando minha dor
Cantando minha vida em suas palavras
Me matando suavemente em cada canção
Cantando minha vida inteira
Em suas palavras
Me matando suavemente com sua canção

À Guel, muitíssimo atrasado, ao Phi, não tão atrasado assim, e ao meu mentor, Mike Shinoda por cantar a minha vida em suas notas mais altas. Feliz Aniversário!

Se quiser ver a original:

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Lost



Eu sabia que iria me arrepender. Só não sabia por qual razão.
Mas eu sou forte o suficiente para chorar sozinha. Ninguém precisa ver. Ninguém precisa saber.
Eu sinto muito, eu perdi.
Perdi pra mim mesma.
Perdi para aquela sensação de que eu posso, quando na verdade eu sei que não posso nada.

Essa sou eu tentando não me desesperar.
Tentando achar as palavras certas e não sofrer tanto.
Tentando chorar, mas por incrível que pareça, não conseguindo.

Eu me avisei. Eu disse desde o começo que isso não daria certo.
Mas eu achei que era o fim. Mas não era nem o fim nem o começo.
É nessas horas que me pergunto com aquele ressentimento absurdo os motivos pelos quais eu voltei.
Talvez eu esteja apenas colhendo o que eu plantei com toda essa insegurança e falta de providência, mas "hey, how could I know?!". Como eu podia saber que ia perder de novo. E perder para mim mesma.

Essa sou eu tentando me manter acordada.
Até queria dormir, mas tenho medo dos meus pensamentos quando eles se transformam em sonhos.
Tenho medo dos meus sonhos quando eles resolvem que vão sair de mim e tomar vida.
Tenho medo de como eu lido com isso.
Ou de como eu simplesmente não sei lidar.

Eu vi você.
Eu me imaginei alí.
Eu vi outra pessoa.
Os corpos se balançavam. As vozes formavam um coro incrível.
Eu estava lá, tomada pelo medo dos meus sonhos. Feliz por ouvir a sua voz outra vez.

Eu estou aqui. Vendo que você não deu a mínima. Vendo que vocês não deram a mínima.
Ou até se importaram.
Eu é que esperei demais.

Essa sou eu me lamentando.
Desejando coisas que eu sabia que jamais iriam acontecer.
Lembrando amores que eu nunca tive.
"Mentindo sobre um lar que jamais verei."
Procurando palavras sem saber onde encontrar.
Me perdendo sem saber onde vou terminar.
Querendo me encontrar na sua canção.
Na nossa canção.

Eu sinto muito.
Eu perdi.

Essa sou eu quase conseguindo chorar...