segunda-feira, 8 de março de 2010

Sweet Journey of a Street Ballerina

Photo by Fernando Gomes*

Remexer no passado nem sempre é uma boa idéia. A gente se liberta de um monte de coisas mas ainda guarda velhos sofrimentos...

Setemvro acabou em meados de Novembro e deixou muito mais do que apenas cicatrizes. Aquela que antes não sonhava agora arrumou novos motivos para se perder em delírios, e até uns antigos também.

Sem contar a perda...

Continuo vendo coisas demais, como se estivesse olhando pra trás e lembrando de algo que já aconteceu.

Fiz de um hino minha canção particular e superestimo minhas forças usando o olho do tigre para renascer das cinzas.

E de hino em hino criamos canções que salvam o mundo. Orgulho!

O sentimento de que falta alguma coisa às vezes abre um buraco enorme. Outras, não importa. Na maior parte do tempo é só canção.

Das estradas que percorri me sobraram algumas experiências registradas em fotografias desajustadas e cheias de congusão.

E que linda confusão é essa?!

Ainda ando descalça à beira-mar catando pedrinhas e olhando o horizonte como se esperasse que algo viesse de lá.

E quando achei que ia realmente amanhecer alguém me lembrou de que ainda faltavam algumas horas...

Me perdi num balançar de corpos, adulterado mas espontâneo. Comemorei com ar de libertação, e mais uma vez me inundei de minha canção particular para lebrar de onde estive, do inferno que passei e da alegria de estar novamente respirando. "E Castiel agarrou com força e o tirou de lá. A ressurreição de Lázaro"

Da emoção do mais sincero e apaixonado orgulho, caio de joelhos numa oração de agradecimento aos meus. Obrigado por fazer o que agora eu não posso. Um pedaço de mim cantando o mundo.

E por falar em canções "eu ouço as vozes quando estou sonhando, eu posso ouvi-las dizer: Siga e frente meu filho desobediente, haverá paz quando você terminar, coloque essa cabeça cansada para descansar, não chore mais"


Don't you cry no more!

*aka "zica da foto"