quarta-feira, 13 de maio de 2009

A Última Ceia


Hoje sou mistério
Amanhã me decifraria
Ou talvez não
Não estou me permitindo ser decifrada
Hoje sou sono, cansaço e preguiça
Sou um peregrino na cidade de papel
No caos da cidade de papel
No caos da minha vida
Words destroy Worlds
Você diz, o outro interpreta
Maneiras diferentes
Ações provocam reações
Words destroy Worlds
Eu destruo mundos
Hoje sou fuga
Pendências mal resolvidas
Tempo não é dinheiro
Solidão é o comando
Me diga o que fazer
Não consigo descobrir sozinha
A querência de perdurar no infinito
Com o choque de se descobrir simples mortal
O desespero de saber que não estava totalmente certa
O fato de nunca estar
Hoje sou alguém que não queria ser
Amanhã, sabe Deus o que irei me tornar
Hoje sou destruidora de mundos
Amanhã, sabe Deus quem irei trucidar
E neste último jantar
A refeição a que tenho direito antes da condenação
Me deleito em imagens sublimes
E repenso os mundos que destruí com palavras
Quais deles conseguirão se reerguer?
E de todas as curas, rejeição
E o que quer que venha depois da última ceia
Seja o fim da dor...

À amigos que viraram família: Ed e Anduh, Feliz Aniversário!

5 comentários:

Aline disse...

Simplesmente FANTÁSTICO!!!

Garotinha Jê disse...

adorei a foto, adorei o título, a dorei o texto. sem mais. :D
beijos!

(ah, esse também foi "na ferida"... rs)

Jessy disse...

Todo dia tem alguém fazendo aniversário. uahuhuhauha

Coleguinha....
estou ficando preocupada.
brincadeira! hehe
Me surpreendo a cada dia com seus textos.. e eles estão cada vez mais profundos...

Saudade
Bjks

Anônimo disse...

oi minha lindaaa gosteiiiii novamente, gostaria muito que vc publicar-se um livro porque a todo momento eu iria lerrr bjkassss

Shagaly disse...

Belo texto!

Interessante a frase:

"Me diga o que fazer
Não consigo descobrir sozinha"

Já virou meu bordão!