domingo, 1 de março de 2009

Let's celebrate!



Um brinde aos meus quases 20 anos e à estrada que percorri durante esse tempo.
Um brinde à todas as abduções e às voltas triunfais.
Um brinde à sétima arte e aos seus sonhos inspiradores.
Um brinde aos presentes de Natal que não duram até o Ano Novo.
Um brinde às promessas que não cumprimos.
Um brinde aos heróis e às tragédias que os criaram.
Um brinde às frases feitas, aos clichés e às filosofias.
Um brinde aos livros que não li.
Um brinde à indecisão e à falta de opções.
Um brinde à todos os caminhos e à estrada para a revolução.
Um brinde ao criador e às suas adoráveis criaturas.
Um brinde aos sonhos despedaçados e às idéias recicladas.
Um brinde aos fracos e ao opressor.
Um brinde ao mar e a seu inebriante jogo de sedução.
Um brinde à insônia e ao cansaço.
Um brinde às despedidas e às suas lágrimas.
Um brinde aos desencontros e às suas marcas.
Um brinde às canções que amamos e pelas quais morremos.
Um brinde às escolhas que não fazemos.
Um brinde às palavras e ao som do silêncio.
Um brinde ao vento e a tudo que ele leva e traz.
Um brinde ao meu, ao seu e ao nosso.
Um brinde ao coletivo inigualável.
Um brinde aos medos e às falhas.
Um brinde ao sacrifício e à redenção.
Um brinde aos estágios obscuros da depressão.
Um brinde aos normais e às suas crenças.
Um brinde aos vilões e à seus hinos.
Um brinde à rosa de Hiroshima e às suas descendentes.
Um brinde aos negros, aos índios, aos brancos e aos ET'S (no caso, os verdes).
Um brinde ao desprezo e às suas cicatrizes.
Um brinde aos aviões e às tsunamis.
Um brinde à Saturno e à seus anéis.
Um brinde ao sorriso e aos amigos.
Um brinde aos inimigos e às suas guerras.
Um brinde a todas as vezes que nos sentimos sozinhos.
Um brinde à chuva e ao olho do furacão.
Um brinde aos nomes e às músicas.
Um brinde àquilo que não se quer e àquilo que mais se deseja.
Um brinde à África.
Um brinde às fotos e aos olhares.
Um brinde a todos os forasteiros e viajantes.
Um brinde à liberdade e à escravidão.
Um brinde à luz forte que se aproxima.
Um brinde à toda essa escuridão.
Um brinde ao fim e ao começo, e à todo o caminho entre os dois.
Um brinde a mim e a você.
Um brinde a tudo que nos atormenta!

Popoli, essa é pra você!

5 comentários:

Dona do Caos disse...

to emocionada...
amiga, to me acabando de chorar, parecendo uma bobona... poxa, mas você esqueceu de brindar as panturrilhas bem feitas e aos homens que não prestam... risos
amei... cada vez mais sento orgulho de ter como amiga uma criatura/criadora nata... contadora de causos que me fazem rir.
beijos

Garotinha Jê disse...

Brindemos, então! :)

Excelente o texto.
E, diga-se de passagem, que essa fonte nunca seque! ;)

:*

André disse...

Um brinde ao talento que transforma em arte os sentimentos, do mais doce ao mais amargo; à modéstia de quem tem talento e insiste em negá-lo.Um brinde à seda rasgada com sinceridade...enfim, um brinde a você, Nega!!!

Shagaly disse...

Um brinde à mim, que tive a oportunidade de ler uma das mais belas coisas escritas da literatura comtemporânea!

Voa, Aline, voa, por favor!!!!

Jessy disse...

Celebremos então à sua criatividade para que sempre nos proporcione textos cada vez lindos!
Beijos