sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Me Acorde Quando Setembro Acabar




"Quando entrar Setembro e a boa nova andar nos campos..."

O casulo sempre acaba em lágrimas...

Você acredita que metade é o suficiente?! Eu também acreditava nisso antes.

Passo por lugares onde meu coração já morou e tenho espasmos de dor ao lembrar de tanto passado!

Pq todas as vezes em que aposto minhas fichas o mundo resolve cair em pedaços bem na minha frente?!

Há tanta verdade na dor...

Me desespero por não saber qual caminho seguir, qual rumo tomar. Me apego em qualquer coisa mesmo quando elas tentam fugir assustadas.

Eu realmente sinto muito por não ter nada feliz pra contar...

Até meu alter ego foi embora (mas isso já faz um tempo). Ela disse que não ia ficar aqui assistindo eu me despedaçar desse jeito!

Às vezes sinto como se meu coração tivesse parado. E às vezes eu realmente queria que isso fosse verdade!

Minhas dúvidas sobre o propósito de Deus continuam crescendo. 
Às vezes eu acho que não há propósito algum!

"Nos meus erros e medos acabo me decepcionando outra vez!" Algumas pessoas me lêem melhor do que eu jamais conseguiria...

Será que todas as oportunidades são mesmo fantasiosas?!

O que eu teria mudado se pudesse voltar no tempo?!

Eu absolutamente não sei o que fazer...

E eu achava que não conseguia mais chorar.


"Já choramos muito, muitos se perderam no caminho"

À Jeane! Meio atrasado, meio sofrido mas cheio de sinceridade!

Feliz Aniversário!

sábado, 12 de setembro de 2009

Seasons Of Dust


Antes eu ainda sentia o torpor. Agora só o vazio.

Um vazio bem grande, que toma todo o meu corpo.

É só isso. Só o vazio. É todo esse vazio!

Não há espaço pra mais nada.

Eu queria me manter no casulo que os dias de domingo me proporcionam...

Eu queria poder olhar no fim de tudo

Pra saber se todo o sacrifício vai valer a pena

Ou se vou continuar andando contra o vento

Sem lenço e sem documento

Num Sol de quase Dezembro

A assistir meu coração se despedaçar.

E dos filhos que adotei

Quantas dores poderei arrancar?!

Eu queria poder correr sem olhar para trás

Largar tudo, sem remorso.

A vida era mais fácil quando a minha única responsabilidade era não ter responsabilidade nenhuma. Éramos jovens!

Hoje eu agradeço à Deus por me manter respirando, mesmo quando eu já não quero mais...

O engraçado é que antes eu ficava feliz com tão pouco! Hoje é esse pouco que me falta.

De todas as aulas que poderia faltar, fui perder logo aquela em que ensinavam a ser feliz. Cheguei atrasada por perder tempo sofrendo por coisas fúteis. Quem dera hoje eu pudesse sofrer apenas por isso...

Nem o meu maior motivo de orgulho consegue preencher o vazio por muito tempo. 5 minutos depois da cura, o vazio renasce com força maior, tomando meu corpo até que eu chegue num estágio no qual eu tenho que me forçar a lembrar repetidas vezes de como se respira. Esquecer é tão fácil...

Todas as vontades não são nada. Perdi a coragem para novas injeções de adrenalina. Ainda sofro com a amargura dos efeitos colaterais prolongados...

Não perdi a fé em Deus, mas às vezes tenho a súbita impressão de que ele perdeu a fé em mim!

Mas uma das coisas mais difíceis pra mim é o fato de algumas pessoas ainda não terem percebido que eu iria até o inferno com elas!

Nem para amar, nem para morrer. As canções simplesmente resolveram fugir de mim, como num jogo de esconde-esconde.

Desisti de procurar explicações e vou apenas arrastando os dias como se não fizesse diferença. A não ser pelos dias em que posso sentir aquela reconfortante sensação de casulo. Só tenho medo de que nem esse casulo resista ao vazio.

Outras contradições sobre Deus: Às vezes acho que Ele está me superestimando. É uma hipótese bastante plausível! Mas eu realmente não consigo acreditar que ele acha que eu tenho forças o suficiente para aguentar tudo isso.

Se Deus só dá o fardo conforme nós possamos carregar, acho que ele errou o cálculo na minha vez...

As coisas continuam intaladas em minha garganta. Será que um dia isso vai mesmo passar e eu vou voltar a falar. Me sinto tecnicamente muda!

Às vezes eu não consigo acreditar quando acontece mais alguma coisa. Chega a ser surreal.

Permaneço em estado de calamidade.

Acho que ainda vai demorar muito pra amanhecer...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Agosto Despedaçado_About A boy III


Ele é como heroína
Que agora provoca síndrome de abstinência
Que causa o que não devo sentir
Que seja a dor
Ou simplesmente o torpor
Ou o nada que se abriu dentro de mim
Ele, tão puro e leve
Tão suave e distante do que feriria meus princípios
Tão vazio de maldade
Tão suave e viciante
Como heroína.
E eu, na condição de simples mortal
Distante do violão e da história engraçada
Distante da história da qual ele saiu
Eu, apenas viciada
Desmancho-me na percepção do nunca mais
Envolvo-me na escuridão deste início de saudade
Invoco o perdão por desejá-lo
E desisto de me manter sã
Saber da incerteza de encontrá-lo
Mata e dilacera
E eu, apenas eu
Sentirei a falta como se fosse um pedaço de mim a me deixar.
Ele é como heroína
E eu sou simples mortal
Ele é como heroína...

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Do fim do ciclo



Você vai se jogar na frente dos carros, vai perder a memória. Vai pegar o ônibus errado.

Vai se deitar na cadeira e ter espasmos de dor.

E você não vai saber o que fazer. Nunca vai sentir tanta vontade de acabar com tudo (e também tanta coragem para fazê-lo).

Todas as suas forças vão parecer ter se esvaído, e muitas vezes você vai até se esquecer de respirar!

Não vai conseguir se concentrar em nada nem em ninguém.

Não haverá um momento inteiramente feliz.

Você vai remexer o vazio e transformar tudo numa confusão de nadas.

Vai continuar sem conseguir conversar com ninguém e achar que vai acabar explodindo de tanta carga.

Vai pensar em conversas devasto-aliviadoras, mas vai chegar à conclusão, com bastante certeza, de que elas vão continuar no plano das idéias.

Nunca vai se sentir tão só em toda a sua vida, e vai sentir também que uma hora isso vai acabar te matando.

Sua vida será uma versão barata de um filme de quinta categoria. Uma música desritmada e violentamente desafinada. Um quadro gasto e cheio de pó. Um prêmio de consolação por participação.

Os dias vão passar cada vez mais sem sentido e as nuvens negras em volta da sua cabeça vão ficando cada vez maiores e mais carregadas.

Acordar vai ser quase tão difícil quanto se manter respirando. Você vai se esquecer de respirar!

Toda expectativa será uma dor, e seu coração já não aguentará bater tão descompassado.

Em sua mente o futuro é uma incógnita, uma visão embaçada de algo que você desconhece.  E não fará idéia de como será o amanhecer. E vai continuar implorando que amanheça de uma vez...

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Daquilo que se chama amizade (leia-se amor)




Amigos são pessoas que nos conhecem centímetro por centímetro e ainda assim continuam do nosso lado. Nos sorrindo em cada manhã, chorando conosco e todos aqueles clichés.

Mas amigo também é aquele que diz que você está errado, que briga com você, que morre de ciúme e que nem faz questão de esconder.

Que te impõe a verdade, que não te deixa mentir, que coloca sua cabeça no colo, mas não hesita em chegar na voadora se você merecer!

Amigo é aquele que diz eu te amo e te chama de chato numa mesma frase.

Amigo é sinônimo de família. A maior de todas, onde tio também é irmão e marido, onde irmão vira cunhado, onde cunhado vira pai!

Como diria Shakespeare: "Amigos são a família que nos permitiram escolher". E eu, sem nenhuma modéstia, afirmo: eu escolhi os melhores!

Pois de todos os risos que eu poderia rir, de todas as lágrimas que eu poderia chorar, de todos os mundos no qual eu poderia viajar, eu escolhi rir, chorar e viajar com vocês. Seja em sessões de cinema, em pizzarias, sorveterias ou na Subway, em viagens ou reuniões de trabalho.

Amigo é também aquele que aguenta sua crise psicopata por bandas, filmes e qualquer outra coisa a qual você decida se apegar, e que mesmo assim não te internou num sanatório!

Amigo é seu espelho dez vezes melhorado e cinco vezes piorado!

A amizade é um amor que nunca acaba, que nunca se desgasta, que nunca se esfria, que nunca se esvái. Basta ser verdadeira!

E a verdade é que cada um de vocês me ajudou a construir este caminho, hora cheio de pássaros e abelhas, hora tortuoso demais. Todos, aqui, exatamente aonde tinham que estar...

No meu coração!

Parabéns, a vocês por este dia que é único e exclusivo de vocês, e para mim, pela excelente escolha!

Eu os amo, e isso não muda... nunca!

4U

PS: A amizade é um fato transcedental. Se puder, assista:

http://www.youtube.com/watch?v=nAlPNA0ASjY 

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Recado do Massacration (e meu também!)


Hei, psiu!

Não adianta torcer o nariz,

Fazer cara feia

Não adianta falar mal

Nem fazer macumba

Não adianta fazer piadinha

Nem querer zombar, certo?!

Pq nossa garra, talento e sucesso

Supera e atropela sua inveja e seu ódio

Seu desgosto.

Não me venha com xurumelas, tah!

Tapinha no ombro

Querendo se bacanear

Não faça tipinho de amigo, camarada

Pq igual a você eu já vi mais de cem

Portanto, suma da minha frente

Deite sua cabeça no travesseiro

E vá tomar no c* tranquilo!

Boa Noite!

À você, bitch das bitches!

domingo, 31 de maio de 2009

"...Um século. Um Mês..."


MEDOS
AMORES
INDECISÕES
OBSTÁCULOS


E maio se foi, rápido demais...

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Hoje é 22: like a stone



Numa tarde fria e chuvosa
Num lugar cheio de vazio
Por uma estrada,
Eu confesso que estava perdido
Pelas páginas de um livro cheio de morte
Lendo sobre como nós vamos morrer sozinhos
E se nós formos bons nós descansaremos
No lugar em que a gente quiser

Em meu leito de morte
Eu vou orar aos deuses e aos anjos
Como um pagão
Pra qualquer um que me levar para o céu
Para um lugar de onde eu me lembro
Eu estive lá há um tempo atrás
O céu estava machucado
O vinho era sangue
E até lá você me conduziu

E eu continuei lendo até que o dia terminasse
E eu caí em arrependimento
De todas as coisas que eu fiz
Por tudo que eu abençoei
E tudo que eu fiz de errado
Nos sonhos até a minha morte
Eu vou continuar vagando

Em sua casa
Eu anseio estar
Em cada canto, pacientemente
Eu vou esperar por você lá
Como uma pedra
Eu vou esperar por você lá
Sozinho


Por que? Porque hoje é 22...
Feliz niver atrasadérrimo, Popoli!

quinta-feira, 21 de maio de 2009

About A Boy II


Ele é como heroína
Me deixa fora de rumo
Fora do senso e da razão
E por mais que eu fuja
Sempre volto correndo para o mesmo lugar
Como um rio que desvia das pedras
Para seguir seu curso exato...

quarta-feira, 13 de maio de 2009

A Última Ceia


Hoje sou mistério
Amanhã me decifraria
Ou talvez não
Não estou me permitindo ser decifrada
Hoje sou sono, cansaço e preguiça
Sou um peregrino na cidade de papel
No caos da cidade de papel
No caos da minha vida
Words destroy Worlds
Você diz, o outro interpreta
Maneiras diferentes
Ações provocam reações
Words destroy Worlds
Eu destruo mundos
Hoje sou fuga
Pendências mal resolvidas
Tempo não é dinheiro
Solidão é o comando
Me diga o que fazer
Não consigo descobrir sozinha
A querência de perdurar no infinito
Com o choque de se descobrir simples mortal
O desespero de saber que não estava totalmente certa
O fato de nunca estar
Hoje sou alguém que não queria ser
Amanhã, sabe Deus o que irei me tornar
Hoje sou destruidora de mundos
Amanhã, sabe Deus quem irei trucidar
E neste último jantar
A refeição a que tenho direito antes da condenação
Me deleito em imagens sublimes
E repenso os mundos que destruí com palavras
Quais deles conseguirão se reerguer?
E de todas as curas, rejeição
E o que quer que venha depois da última ceia
Seja o fim da dor...

À amigos que viraram família: Ed e Anduh, Feliz Aniversário!

sábado, 9 de maio de 2009

Show Me



Como pedir desculpas?
Como aceitá-las?
Me mostre uma maneira de demonstrar sanidade.
Como se livrar de um peso?
Como não mais arranjá-los?
Me mostre uma maneira de demonstrar perfeição.
Como aceitar erros cometidos em busca de um acerto maior?
Como aceitar que não foi dessa vez?
Me mostre uma maneira de demonstrar individualidade.
Como descobrir mentiras?
Como esconder verdades?
Me mostre uma maneira de demonstrar a realidade.
Como saber o que se faz?
Como esquecer o que se fez?
Me mostre uma maneira de demonstrar arrependimento.
Como destruir um mundo?
Como construir a solidão?
Me mostre uma maneira de demonstrar pureza.
Como sobreviver à queda do paraíso?
Como reviver o amor?
Me mostre uma maneira de demonstrar coragem.
Como enxergar fantasmas?
Como ler seus livros?
Me mostre uma maneira de demonstrar que a morte não é o bastante.
Como aceitar quem eu sou?
Como aceitar o que não me tornei?
Me mostre uma maneira de demonstrar a vida!

Deco,
Você é uma das pessoas mais importantes da minha vida
E mesmo que eu me perca em mil mundos diferentes eu nunca vou esquecer você!
Essa é pra você!

sábado, 2 de maio de 2009

Bullets in the blue sky


Elas passam, voando sobre minha cabeça. Rasgando o ar num barulho ensurdecedor. Como bailarinas de uma única coreografia, não erram seus passos, seu caminho. Não são pássaros. Não são aviões. Não, não é o super-homem. São balas no céu azul. E acertaram direto o meu coração.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Livro de Cabeceira


Eu não escrevi em seu corpo. Ele não foi meu amante, nem amigo nem confidente. Nós não tivemos uma história juntos. Nós não tivemos nada juntos. E ele deixou sua história marcada em mim...
Vendo sua vida passar por mim, percebo o quanto nós somos parecidos; quantas coisas nós supostamente faríamos do mesmo jeito; a autodestruição que nós causamos é praticamente a mesma; o talento, ainda vou descobrir, mas a dor, ela é exatamente a mesma. Aquela dor profunda e inevitável é, inegavelmente a mesma!
A nossa única diferença não está nas ações, mas no nosso tempo. O tempo dele de acabar com tudo chegou há pouco mais de um ano atrás.
O meu destino é incerto, mas os nossos caminhos se cruzaram para mudar nossas histórias pra sempre. Transformando a vida e a morte...

Mais uma Canção de Aniversário Para Uma Eterna Dor
Ao meu eterno cowboy, minhas desculpas por tê-lo matado!

domingo, 19 de abril de 2009

Super Herói


Eu não consigo voar
Eu não sou tão ingênuo
Eu só quero encontrar
A melhor parte de mim

Sou mais do que um pássaro
Mais do que um avião
Sou mais do que um rosto bonito passando
E não é fácil ser quem eu sou

Eu queria poder chorar
Cair de joelhos
Encontrar um jeito de mentir
Sobre um lar que eu jamais verei

Pode soar absurdo
Mas não seja ingênuo
Até mesmo heróis têm o direito de sangrar
Posso estar confuso
Mas você tem que admitir
Até mesmo heróis têm o direito de sonhar
E não é fácil ser quem eu sou

Alto, mais alto e distante, tão distante de mim
Bem tá tudo certo
Vocês todos conseguem dormir direito à noite
Eu não estou louco ou algo parecido

Eu não consigo voar
Eu não sou tão ingênuo
Homens não foram feitos para andar
Com nuvens sôb seus pés

Eu sou só um cara com uma capa vermelha idiota
Cavando em busca de kriptonita nessa estrada de mão única
Apenas um cara numa capa vermelha engraçada
À procura de coisas especiais dentro de mim
Eu sou só um homem numa capa vermelha engraçada
Sou só um cara em busca de um sonho
Sou apenas um homem numa capa vermelha engraçada
E não é fácil
Não é fácil ser quem eu sou

Letra de Five For Fighting
Dedicado ao meu mentor: Parabéns pelo doutorado, super herói...

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Eu, eu mesmo e Aline


Aline. Nome que já soou insignificante. De origem gaulesa. Significados inglês e celta: de linhagem nobre, graciosa, atraente (hã?!)

Aline não acorda todo dia às 4:30. Aline acorda às 6:30 quando tem aula, às 10:00 quando não tem, e às 12:00 se deixarem. Pra dizer a verdade, muitas vezes Aline prefere não acordar.

Aline sempre foi a "menina grande", a amiga, aquela em quem você pensa primeiro quando o assunto é fazer de otário. Aline nunca foi atraente (como sugere a origem de seu nome), nunca foi a garota certa pra ninguém namorar, nunca foi exatamente alguém a quem você respeitaria. Aline é só Aline, porque essa é a sua real função.

Aline é viciada em jujuba, sonho, chocolate e LINKIN PARK.

Aline é daquelas que acordam no meio da noite com um surto de inspiração.

Aline é daquelas que amam filmes sem nunca tê-los visto. Aline adora músicas das quais ela nem sabe quem é o cantor.

Aline sente muita saudade. Às vezes tem vontade de arrancar o coração de tanta dor. Mas se conforma, se esconde num canto e chora baixinho.

Aline chora por tudo, e ri mais ainda.

Aline é a senhora dos nomes. Consegue colocar apelidos em todo mundo, e também dá nome às suas coisas. Que o diga Roberto Gregório...

E quem ousa duvidar que Mike Shinoda seja seu mentor, que os caras do LINKIN PARK são seus filhos, que Roberto Gregório é seu amigo inseparável, e que Zeca Baleiro e Lenine são seus maridos?!

Aline tem sonhos impossíveis. Ri de todos eles... E volta a sonhar.

Aline morre de amor sem ao menos estar apaixonada. Mas nem ouse se apaixonar por uma Aline. Elas são as piores pessoas pelas quais você pode se apaixonar.

Alines amam com tudo: com lápis e papel, ou com uma página na internet... Aline tem mil amores ao mesmo tempo.

Aline é daquelas que arquitetam planos infalíveis antes de dormir, mas que não realiza nenhum deles.

Alines sempre complicam tudo, por mais simples que sejam as coisas. Talvez por que no fim a sensação de ver problemas maiores resolvidos seja bem melhor...

Aline acredita que a vida era mais fácil quando ela só precisava olhar seus pôsteres e sorrir.


Aline adora se culpar, mas detesta quando a culpam.

Aline se sente muito só, mas vai continuar assim...

Alines não podem fazer 99%. Alines precisam fazer 100%. Ou então vai ter alguém esperando na curva para ensinar-lhe bons modos.

Aline adoraria sumir. Quem sabe numa viagem solitária, quem sabe no caminho de casa, quem sabe no caminho de volta à Saturno.

Na verdade mesmo, Aline só quer se encontrar. Pra poder se perder de novo, e de novo e de novo...

Aline anseia a felicidade, mas tem predileção pela tristeza. Ou talvez tenha apenas se acostumado a ela. As duas andam sempre juntas, como que amigas inseparáveis.

Aline se preocupa demais.

Aline é um estado de espírito.

E termino com uma frase que foi dita à uma Aline (que não fui eu): "Aline já não é mais nome. Aline já virou canção!" E dedico este texto para Aline Shinoda, seu alter ego Lizzy Shinoda, e para mais uma Aline. Parabéns pra nós...

terça-feira, 7 de abril de 2009

Invasão


Elas estavam lá, por toda a parte. Se moviam como que sem noção de para onde estavam indo.
Voavam como loucas pelo meio dos carros, das pessoas, da paisagem, num estranho e entorpecedor balé de asas.
E eu, como humilde expectadora, assistia àquele espetáculo imaculado e perfeito, mas sem ainda entender.
Algo está por vir...

sábado, 4 de abril de 2009

Canção de aniversário para uma eterna dor



Eu quero sair pra ver o mar
Eu quero amar
E eu quero ver o reflexo disso
Eu quero poder ver o pôr-do-sol
Admirar ele indo embora
E esperar que ele leve toda a dor
Eu quero tomar banho de chuva
E escutar canções de liberdade
Eu quero falar com Deus
E escutar seus divinos sinais
Eu quero mudar o mundo
Espalhar o que me faz sorrir
Eu quero enxugar a lágrima
E ser um oceano
Eu quero sair pra ver o mar
E que ele me leve para onde quiser
Que seja para suas profundezas
Que seja para além da linha do horizonte
Que seja para onde o mundo se perde
Que seja para onde eu possa me encontrar
Eu quero ver o sol nascer
Eu quero abraçar a intenção
Eu quero agarrar a oportunidade
Eu quero dar um pontapé na solidão
E dançar a noite inteira
Eu quero dormir o sono dos justos
O sono dos sonhadores
Eu quero encontrar os amigos
Eu quero encarar meus inimigos
Quem sabe até beijá-los na face e negá-los três vezes
Eu quero me perder em todos os caminhos
Eu quero roubar um sorriso
Pra nunca mais ter que romper os laços
Eu quero olhar para o mundo de um ângulo diferente
Eu quero olhar para trás e sentir que valeu a pena
Eu não quero mais ver vítimas, e sim vencedores
Eu quero denunciar o sorriso
Eu quero desvendar a vida
Eu quero ser o desejo
Me tornar o rumo
Ser, quem sabe, um porto seguro
Eu quero me guiar em várias direções
E me perder em todos eles
Pra me encontrar em cada centímetro
Eu quero ser dona de cada pedaço
E pertencer ao todo
Eu quero correr
Só correr
E não para até que eu queira
Eu quero sentir orgulho pelo menos uma vez
Eu quero correr
E continuar sonhando
Eu quero saber o significado
Eu quero que seja feita justiça
E também a NOSSA vontade
Eu quero jogar os próximos dados
Eu quero brincar
Eu quero pertencer
Eu quero me recriar a cada segundo
E me reconhecer em cada vida
Eu quero ver a felicidade
Seja lá em qual vida ela resolva se firmar
Seja lá qual união ela resolva perpetuar
Seja lá qual sorriso ela venha me trazer
Seja lá quais acenos ela resolva me mostrar
Seja lá quais preceitos ela possa me ensinar
Eu quero te ver sobreviver
Eu quero sobreviver
Eu quero correr
Mas eu paro...


À meu adorável cowboy, Feliz Aniversário
Ps: "Eu quero te ver sobreviver"

domingo, 29 de março de 2009

De uma vida




Um discípulo perguntou à seu mestre:
-Senhor, se tu visses um ser sofrendo, precisando de ajuda, e as pessoas à volta dele não tentassem sequer ajudá-lo, o que o senhor faria?

E o mestre respondeu:
-Deve-se ponderar. Não devemos apenas ajudar este ser, mas cuidar para que todos ao seu redor aprendam a cuidar dele, pra que isso não voltasse a se repetir. Aquela velha história do "não dê o peixe, ensine a pescar!"

-Mestre, e se o senhor presenciasse alguém ser injustiçado pelos próprios amigos? Qual atitude o senhor tomaria?

-Primeiro, filho, é necessário dizer que essas pessoas não estão se comportando exatamente como amigos. Depois, a questão é apenas esperar! O ódio e a vingança de nada adiantariam e só gerariam um ciclo de dor. A vida tratará de ensinar-lhes. Mesmo que às vezes eu tenha minhas dúvidas...

-Mestre, se o senhor desconfiasse que é dono de um poder muito grande? Um poder tão grande que seria capaz de abalar o mundo inteiro?

-Todos os seres humanos podem fazer algo grande o bastante para abalar o mundo. A questão é que algumas fazem coisas boas, outros fazem coisas ruins e outros simplesmente não fazem nada. Você só precisa tomar cuidado quando for escolher o que vai fazer, qual direção vai tomar. Shakespeare costumava dizer que sempre existem dois lados, e eu acho que ele tinha muita razão nisso...

O mestre olhava as estrelas. Apenas observava-as, quieto, como que aguardando.
E novamente o insaciável discípulo perguntou:
-Mestre, e se zombassem do senhor pelos sonhos e caminhos que escolheu para si?

-Continuaria andando e sonhando
- respondeu o mestre com um sorriso- “Eles” não desviariam seu caminho ou parariam de sonhar por mim. Por qual razão, deveria eu fazê-lo? Pode parecer egoísmo a princípio, mas se você olhar com mais atenção vai perceber que se trata de amor próprio!

-Mestre, e se o machucassem tanto que o senhor não pudesse esboçar uma reação?-
E ao dizer isso sua voz estava embargada de dor- O que o senhor faria?

-Filho, um dia as feridas cicatrizam. Não estou dizendo que vai ser fácil suportar a dor, não é isso, mas é que depois de um tempo você aprende a lidar com elas e elas não doem mais tanto assim! Daí você pode levantar e continuar sua caminhada. As pedras no caminho podem se tornar os muros que nos isolam, mas também os degraus de nossa subida. Tudo depende de para que você vai usá-las.

Neste momento o discípulo parou, como que para refletir, e só voltou a falar depois de alguns minutos. Minutos que pareciam ter durado uma eternidade, para ambos:

-E se o senhor simplesmente não conseguisse mais fazer planos?

-Meu jovem, mesmo que você já tenha seu caminho totalmente traçado é necessário viver um dia de cada vez. Desse jeito é mais fácil perceber em qual estrada estamos, e se realmente queremos seguir por ela. Mas não se preocupe tanto com isso, Deus dá risada de quem faz planos...-
e riu-se novamente.

-E se descobrisses que está sendo preparado para algo importante?

-E quem de nós não está sendo preparado para algo?! Você, eu, “é tudo parte do plano”! Estamos todos sendo preparados para algo. Como eu já disse, tudo vai depender se você vai querer fazer algo grande ou não. Todos são preparados, mas poucos têm a coragem para aceitar essa responsabilidade!

-E se eu não souber se estou pronto?

-Nós só somos chamados na hora certa, nem um segundo a mais, nem um segundo a menos. Você vai saber a hora certa! Todos nós sabemos...

-Mestre, e se depois de tanto lutar, o senhor perdesse?


-Nada é em vão, meu caro! Você constrói coisas inacreditáveis na vida. E se você realmente lutou, realmente deu o sangue e fez o melhor que podia, vai saber que não perdeu, apenas não alcançou a vitória. E tenha certeza de que existe muito mais nisso do que se possa descrever!

-Mestre, o senhor já se sentiu desesperançado ao ponto de não sentir gosto pela vida?!

-Já! Toda vez que alguém acredita que encontrou a resposta sem ao menos ter perguntado!-
e dizendo isso riu-se- Mas não se preocupe, você pode não sentir gosto pela vida, mas gosta menos ainda da morte, ou pelo menos da idéia que tem dela!

-Mestre, o senhor já errou feio?

-Vocês não entendem mesmo, não é?! Se eu acertasse sempre você acha que teria tanto assim para lhe ensinar?! Você também vai errar feio, filho! É a vida!

O discípulo agradeceu e saiu, deixando novamente o mestre a olhar as estrelas. E ele ficou lá, quieto, rezando baixinho, pedindo a Deus que todas aquelas palavras funcionassem pelo menos uma vez. Pelo menos com aquele pobre garoto. Ela ainda não fazia idéia do que estava por vir...


À Renato, com atraso, mas com muita justiça! Feliz Aniversário!

sábado, 21 de março de 2009

Quem sabe, amanhã?!



Tenho andado pra baixo e me pergunto porque
Essas nuvenzinhas negras
continuam andando a minha volta
Sempre comigo

Isso leva tempo
Eu preferia estar "alto"
Acho que vou sair e comprar um sorriso de arco-íris
Mas ser livre
Todos eles são livres

Assim talvez amanhã eu encontre meu caminho pra casa
Meu caminho pra casa

Eu procuro por uma vida boa
Estive completamente no chão
Estive completamente de fora
Mas nós respiramos
Respiramos

Eu quero a brisa e uma mente aberta
Eu quero nadar no oceano
Quero tomar meu tempo pra mim
Só pra mim

Assim talvez amanhã eu encontre meu caminho pra casa
Meu caminho pra casa

À Chazy Chaz, com atraso e com carinho, Feliz Aniversário!
Song by Stereophonics

domingo, 15 de março de 2009

As frases que mudaram o (meu) mundo




-"Get better!"
-"Depois de produzir um filho descansem uma horinha!"
-"Fica bem, tá!"
-"Você é doente!'
-"Eu ainda não me sinto confortável com você!'
-"Não acredito que você largou essa!"
-"Why so serious?!"
-"Break it down, Rob!"
-"Voei!"
-"Entender, eu não entendo..."
-"Ela é mentirosa!"
-"Linoca Shinoda!!!"
-"Gosto de ti independente do mundo!"
-"As cotas acabaram, foi?!"
-"Make some fucking noise, Rob Bourdon on the drums!"
-"Meu amor puro pulou o muro!"
-"Tá tudo bem com você?!"
-"Going back home after a 7-days rave!"
-"Se você só tem um real, você só vale um real!"
-"I love you but I've chosen the darkness!"
-"Sou filho do ódio e do amor, Jesus do subúrbio!"
-"Você vai deixar pra lá?!"
-"Fuja pr'um circo!"
-"Não vou pra lugar nenhum!"
-"Absolutely!"
-"How can you be in hell if you are in my heart?!"
-"Menina, você pulou uma fogueira!"
-"Minha xuxua!"
-"Senti sua falta (...) sem hipocrisia!"
-"Deus ajude!"
-"...Amigas top, e você tá entre elas!"
-"One, two three, four, stop!"
-"Seis é o número mágico!"
-"The wrong number. The wrong person!"
-"The wrong songs. The wrong person!"
-"Intimidade é um caminho sem volta!"
-"Todo mundo me abandona, passa e não fala..."
-"Mas eu escolhi não ser o demônio!"
-"É isso que acontece quando a gente escolhe não ser o demônio!"

Ladies and gentlemen: this is for Mr Hahn. Happy Birthday!

segunda-feira, 9 de março de 2009

The Hard Way: parte 2 (a original)

video




Venha comigo
Me deixe te guiar pelo mundo no qual eu estou agora.
Você pode olhar em volta e me dizer se eu estou enganado
Você pode se encontrar e falar com todos com quem eu convivo
Talvez você possa me dizer porque todos estão tão distantes
Sou eu ou talvez quando eu olho em volta, diariamente
Eu nem mesmo sei as pessoas em quem eu posso confiar nesse momento


As pessoas com as quais eu costumava contar
Agora estão se comportando de um jeito tão diferente.
Eu ainda sou a mesma pessoa. Por que ninguém escuta?


Alguém pode por favor só me explicar
O que aconteceu com o modo que nós sempre dizíamos que seríamos?
Agora mesmo eu não sei porque eu agüentei a dor que eu passei
E eu estou perdendo a esperança

Vozes ensurdecedoras que freqüentam a minha cabeça
Que dizem que eu estou seguindo pelo caminho difícil
Eu mantenho o foco
Tirando tudo da minha mente
Que clama que eu estou seguindo pelo caminho difícil

Me deixe te guiar pelo mundo no qual estou vivendo
Onde nada é esquecido
Nada é perdoado
Ninguém consegue carregar suas próprias cargas
Ninguém consegue levar a culpa pelos seus próprios erros.


O que você faz quando alguém te decepciona?
E você quer dizer algo mas não pode porque eles não estão por perto
Por dentro você chega a pensar que eles sabem o tamanho da dor
Mas eles não vão admitir que eles são culpados.


Alguém pode por favor
Só me explicar
O que aconteceu com o modo que nós sempre dissemos que seríamos?
Porque agora mesmo eu não sei porque eu agüentei a dor que eu passei
E eu estou perdendo a esperança

Vozes... Vozes... Em minha cabeça... Em minha cabeça

Alguém pode por favor
Só me explicar
O que aconteceu com o jeito que nós sempre dissemos que seríamos?
Porque agora mesmo eu não sei porque eu agüentei a dor que eu passei
E eu estou perdendo a esperança
Me dê uma razão para não perdê-la...


Vozes... Vozes... Vozes...





Shinoda and Kenna

domingo, 1 de março de 2009

Let's celebrate!



Um brinde aos meus quases 20 anos e à estrada que percorri durante esse tempo.
Um brinde à todas as abduções e às voltas triunfais.
Um brinde à sétima arte e aos seus sonhos inspiradores.
Um brinde aos presentes de Natal que não duram até o Ano Novo.
Um brinde às promessas que não cumprimos.
Um brinde aos heróis e às tragédias que os criaram.
Um brinde às frases feitas, aos clichés e às filosofias.
Um brinde aos livros que não li.
Um brinde à indecisão e à falta de opções.
Um brinde à todos os caminhos e à estrada para a revolução.
Um brinde ao criador e às suas adoráveis criaturas.
Um brinde aos sonhos despedaçados e às idéias recicladas.
Um brinde aos fracos e ao opressor.
Um brinde ao mar e a seu inebriante jogo de sedução.
Um brinde à insônia e ao cansaço.
Um brinde às despedidas e às suas lágrimas.
Um brinde aos desencontros e às suas marcas.
Um brinde às canções que amamos e pelas quais morremos.
Um brinde às escolhas que não fazemos.
Um brinde às palavras e ao som do silêncio.
Um brinde ao vento e a tudo que ele leva e traz.
Um brinde ao meu, ao seu e ao nosso.
Um brinde ao coletivo inigualável.
Um brinde aos medos e às falhas.
Um brinde ao sacrifício e à redenção.
Um brinde aos estágios obscuros da depressão.
Um brinde aos normais e às suas crenças.
Um brinde aos vilões e à seus hinos.
Um brinde à rosa de Hiroshima e às suas descendentes.
Um brinde aos negros, aos índios, aos brancos e aos ET'S (no caso, os verdes).
Um brinde ao desprezo e às suas cicatrizes.
Um brinde aos aviões e às tsunamis.
Um brinde à Saturno e à seus anéis.
Um brinde ao sorriso e aos amigos.
Um brinde aos inimigos e às suas guerras.
Um brinde a todas as vezes que nos sentimos sozinhos.
Um brinde à chuva e ao olho do furacão.
Um brinde aos nomes e às músicas.
Um brinde àquilo que não se quer e àquilo que mais se deseja.
Um brinde à África.
Um brinde às fotos e aos olhares.
Um brinde a todos os forasteiros e viajantes.
Um brinde à liberdade e à escravidão.
Um brinde à luz forte que se aproxima.
Um brinde à toda essa escuridão.
Um brinde ao fim e ao começo, e à todo o caminho entre os dois.
Um brinde a mim e a você.
Um brinde a tudo que nos atormenta!

Popoli, essa é pra você!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

The Hard Way


Entre taças de vinho e crimes ediondos

Entre o presente de mãe e uma maldição segundo uma irmã

Entre sessões perdidas, recuperadas, adiadas e esquecidas

Entre a birra infantil e a vontade de mandar o mundo se f*

Entre o cansaço de uns vídeos e a recompensa noturna

Entre o sentir, o fingir que sente e o esconder que sentiu

Entre o procurar das respostas e o formular das perguntas

Entre o dia e a meia-noite

Entre o incansável e o modificável

Entre a maioria das coisas e nenhuma delas

Entre um bem e um mal nem tão mal assim

Entre o saber o que faz e o fazer sem saber

Entre uma viagem de barco e um passeio à lua

Entre viver na Terra ou voltar para Saturno

Entre o que os outros pensam e o que vc se limita a pensar

Entre o procurar e o não querer encontrar

Entre o encontrar sem ter procurado e o não encontrar por não ter feito questão de procurar

Entre o não e o talvez

Entre o sim, que não existe, e o que quer que venha depois do infinito

Entre a atemporalidade e a falta de tempo

Entre o meu caminho e o dos outros

Entre eu e eu mesma

Entre a saudade e a repulsa

Entre a saudade e a vontade de não mais ver

Entre a saudade e a vontade de não mais sentir

Entre a saudade e a dor

Entre a saudade de eu

Entre eu e a vida

Entre a vida e a morte

E mais uma vez sei que você não vem sozinho...


*Título original, Fort Minor


quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Canção para um sonhador


Alguém realmente tem o poder de mudar o mundo? Alguém pode ao menos tentar...

Alguém pode realmente fazer a diferença? Existem pessoas que conseguem...

Começar transformando um pequeno lugar a seu redor e a partir disso mudar a vida de milhares de pessoas ao redor do mundo. Pessoas que ele nem conhece, mas que estão indo direto nas mesmas coisas que ele. Pessoas que se preocupam como ele, e que o usam como exemplo. Algo perto daquilo que eles querem ser um dia.
Não o ídolo, mas o homem. Que faz de suas canções hinos, transportando a dor para um caminho de revolução.

Aquele que foi escolhido para fazer uma rima tremer. E cujos passos têm sido todos para a frente.

Alguém que está longe da perfeição, mas se esforça ao máximo para fazer as coisas do jeito certo. "Ele não é um herói, mas não pense que ele não se importa!"

O homem de duas bandas. E de todas elas.

O homem de 365 dias. E mais 24 horas.

O homem de milhões de fãs. E de uma única mulher.

Aquele que fecha os olhos ao tocar suas notas mais intensas, e que se livra do que lhe prende ao chão na suave melodia de um piano agressivo.

O homem que tem a voz encoberta e se sente feliz!

O homem das rimas inesquecíveis, de batidas ritmadas e da tensão das rimas. Ele é o próprio ritmo.

É ao mesmo tempo a cabeça e os pés. A mente e a base.

A única vez que "uma coisa" é maior, melhor e mais importante do que um monte delas!

O homem que fez sua batida ecoar até o espaço, tocar no dia do apocalipse e ser trilha sonora de marchas contra a fome e a guerra. Isso é música por sobrevivência!

Aquele que é escravo de seu talento, e justamente por isso, causador da libertação!

O homem das pinturas, de seu excesso glorioso.

O dono dos passos e das ruas. "Ninguém anda em L.A", mas todos querem andar pela sua "estrada para a revolução"!

Um orador e todas as suas preces.

Um construtor de casas, músicas, ideais e vidas.

O homem da guitarra da Hello Kitty e dos super novos óculos brit pop super star!!!!!

Um sorriso de criança numa mente atemporal de 32 anos de idade!

O único que pode "bagunçar" com os "pontos de autoridade"!

Ele diz sua prece e no final nós é que dizemos amém...

Aquele que tenta se manter sempre próximo, mesmo quando se vê forçado a parar.

Ele nunca pára!

O melhor amigo e comparsa do "joey quebra-joelho". O abominável exterminador de fricassês!

Aquele que "no fim" sente a necessidade de compartilhar seu mundo com aqueles que estão alí ouvindo atentamente o ecoar de seus versos. E ele corre para a multidão, e nada mais importa...

O homem que uniu todos os países num teclado.

Aquele que alimenta nossa mente com idéias, aquece nosso coração com músicas e agora pode até calçar nossos pés!

O responsável por muitas quebras de hábitos, e pela continuação de muitas manias.

Alguém que merece admiração por seus atos, mas tem a humildade de não querer ser admirado!

Aquele quem eu gostaria de ser se não fosse eu mesmo!

O marido da Anna, o irmão dos "meus filhos", o exemplo que eu quero seguir. Meu mentor, Mike Shinoda.

Feliz Aniversário!

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Malkovich, Malkovich





Ela pensou em mudar. Queria fazer algo novo. Interromper o ciclo estranho que sua vida estava seguindo. Porém, de tanto pensar, descobriu que nada podia fazer.

A revelação de alguns segredos deu-lhe certa calmaria, mas não lhe trouxe a paz. Ela ainda se considera uma das piores pessoas que já conheceu. Ou talvez não...

Ninguém podia mais lhe tirar sua estrada para a revolução, mas ela também já não sabia como percorrê-la. A vida vem sem manual de instruções.

Às vezes enfurecia-se: as pessoas fazem coisas horríveis umas com as outras. Às vezes apenas chorava...

Desiludiu-se. Passou então a catar os cacos de si mesma que ainda restavam pelo chão. E rezava, implorando que ninguém destruísse as partes que ela já havia consertado.

E se sentiu tão sozinha, perdida no mundo, ela e sua vida de loucuras extremamente reais, sozinha. E a dor de se sentir sozinha lhe parecia dolorosa demais para continuar sentindo.

Era como se num momento tivesse tudo, e no outro, absolutamente nada.

Num dia ela teve o encanto e a atração. No outro, apenas sombras que desfilavam à distância, vendendo seus sorrisos para outros olhares.



Se perdendo no abismo que se fez sôb seus pés, se encontrando nas canções que ouvia, tomando doses cavalares da cura após dias de abstinência.

Encontrava em seus lugares preferidos, tanto a paz que precisava quanto o choque da epifania. Dói muito reconhecer certas coisas. Principalmente o que se precisa.

E num delírio do passado, foi a primeira vez que sentiu raiva do garoto da caixa de vidro.
De onde ela havia arrumado encorajamento agora ela encontrava uma espécie de rejeição. Foi posta de lado no momento em que mais precisava de alguém do lado.

E de todos que ela havia amado, novamente só restaram as canções.
Foi recriminada por seu próprio mentor. E ela achava que poderia suportar qualquer coisa menos isso. Ainda lhe doía escutar aquela canção!

Continuava procurando respostas cujas perguntas ela nem sabia.

Preferiu continuar sonhando, e esperava ansiosamente pelo mês de Março. Mesmo que devesse esperar por Abril.

E de todas as suas piores manias, continuava escrevendo em 3º pessoa....


À Phi, com carinho. Feliz Aniversário!

domingo, 25 de janeiro de 2009

Making the difference


Hi, kids!
Como vocês podem perceber, adicionei um novo gadget, que tá logo aqui em cima. Esse gadget é de uma parceria da Music For Relief e da Social Vibe, que está ajudando a arrecadar dinheiro para as vítimas dos furacões no Haiti.
Para ajudar basta se inscrever e acumular pontos. Os pontos acumulados viram doações.
Se vocês se interessarem e quiserem ajudar, cliquem no gadget e se cadastrem, é de graça e super fácil (mesmo estando em inglês, huehue).
O site é legal, meio que um orkut diferente, huehue.
Para quem mora nos Estados Unidos ainda há a chance de conhecer os caras do Linkin Park enquanto eles estão no estúdio gravando o próximo cd.
Para nós, a recompensa é a satisfação! rs
We can make the difference!

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

He Was A Friend Of Mine



Ele era um amigo meu
Agora toda vez que eu penso nele
Senhor, eu simplesmente não consigo parar de chorar
Porque ele era um amigo meu
Ele morreu na estrada
Ele nunca teve dinheiro suficiente
Para pagar seu quarto ou a comida
E ele era um amigo meu
Eu roubei e chorei
Porque eu nunca tive muito dinheiro
E eu nunca estive totalmente satisfeito
E ele era um amigo meu
Ele nunca fez nada de errado
À mil milhas de casa
E ele nunca prejudicou ninguém
E ele era um amigo meu
Ele era um amigo meu
Toda vez que eu ouço seu nome
Senhor, eu simplesmente não consigo parar de chorar
Porque ele era um amigo meu

Bob Dylan

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Enquanto Não Amanhece

Fiz minhas escolhas
Joguei rosas ao mar
E sonhos ao vento
Caminhei quilômetros
E ainda não encontrei uma direção
Me disfarcei de fortaleza
E me desfiz na brisa suave
Tive um novo amor a cada segundo
Nenhum deles existiu
Caí de joelhos
Numa prece sem fim
Mas, como diria aquela canção
"Eu ainda não encontrei o que procuro"
Adoeci
As cortinas foram fechadas
O som do silêncio ecoou no horizonte
As mãos geladas, agora distantes
Encontros e desencontros
Me entreguei ao mar
Me despedacei na solidão
Me senti suja
Rasguei meu coração
Dilacerei meu pensamento
Adormeci
Prefiro não acordar
Os atos desfizeram os laços
Me rendi ao domínio das palavras
Provei do veneno
Enlouqueci de saudade
Desconheci a razão
Vi o mundo lá fora desabar
E simplesmente não liguei
Fiquei "alta"
E totalmente por baixo
Me importei demais
Não deram a mínima
Eu estava lá
"Só você não viu"
Corri contra o tempo
E o tempo venceu
Os passos não foram seguidos
O caminho é o mesmo
Quem mudou fui eu
As luzes ainda não se apagaram
Mas o público já foi embora
O rio seguia calmo seu curso
Veio a chuva e tudo inundou
Mudaram-me o curso
Pretendo respirar, um dia
Impulsividade
Instabilidade
Falta de equilíbrio
Excesso de sentimento
Medo do amanhã
Incompatibilidade de desejos
Olhos
Um coração despedaçado
E eu sobrevivi
Até agora...

À Rob, feliz aniversário!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

À Espera Do Amanhecer




Bagunça! Não adiantaria procurar em outra palavra, essa seria com toda a certeza a melhor definição.
As coisas mais preciosas, e antes tão bem guardadas, estavam agora jogadas em sua mesa de toalha azul florida. Não que agora essas coisas não necessitassem mais daquele cuidado especial, é que agora, mais do que nunca ela precisava que aquelas coisas ficassem ao seu alcance, para que suas mãos pudessem tocá-las e sentir que elas estavam alí, à salvo, para salvá-la.
Eram livros, cd's, canetas, fotos, cadernos antigos com segredos atemporais, potes de dinheiro vazios, papéis velhos sem importância, bijuterias e todas aquelas milhões de coisas que salvam uma pessoa em depressão. É claro que estavam faltando os remédios, o cd do NX Zero e a faca para cortar os pulsos (Ai God, fui ao fundo do emo!)
Na sua estante, os olhares atenciosos de seus vigilantes velavam seu sono, e tentavam guiar seus passos enquanto ela estava acordada.
Guardava também uma parte do "caminho de casa". Presente dado por um amigo pra que ela sempre se lembrasse de que teria um lugar pra chamar de lar!
Costumava guardar também seu mundo. Mas este se desfez em pedacinhos e se dispersou feito poeira ao vento.
Estava com raiva e desconhecia a razão. Havia jurado que este ano as coisas seriam diferentes, mas ela continuava sofrendo das mesmas dores e não se consegue parar algo assim da noite para o dia.
Olhando aquele lugar onde podia se esconder do mundo lá fora, tinha todas as lembranças como num filme de longa duração. Conseguia lembrar de todos os momentos que mudaram sua vida: de quando fingiu que estava doente e acabou ficando; de quando o mundo sentiu o poder de decisão que sua mente de 12 anos tinha; de quando, no auge de seus 13 anos, achou que tinha talento; de quando caiu de joelhos diante do que ela chamava de terapia; de quando ela perdoou quando deveria esperniar de revolta e comer o prato congelado da vingança; de todas as vezes que matou centenas de pessoas; de quando aplicou a tão aguaradada injeção de adrenalina; de quando quase tirou a vida daquele que ajudou a dar sentido à sua...
-Sobre o poder de decisão: o mundo inteiro sente as consequências disso até hoje;
-Sobre o talento: descobriu que essa palavra não se encaixava muito bem com ela;
-Sobre o perdão: não se arrependia, mas também não sentia nenhum orgulho;
-Sobre as centenas de pessoas: ela sabia que não seriam os únicos...
-Sobre aquele que dava sentido: percebeu que não conseguiria se perdoar nunca;
Da injeção de adrenalina, sabia que as coisas eram muito mais profundas:
Injetou-se para sustentar um vício (ambiguidade perigosa!). Estava sustentando-o. Mas o vício aumenta quando a necessidade é maior! As consequências da adrenalina estavam-na fazendo surtar. Não podia negar que ganhou um milhão de coisas maravilhosas, mas também não poderia negar que a vida estava dando uma de "Santa Inquisição" e caprichando nas sessões de tortura!
Ela não era mais a mesma, e ainda ia demorar "um muito" pra que o mundo, e ela mesma, se acostumasse, para que as feridas cicatrizassem e, quem sabe até, o vício controlado, causando a ela a libertação...
Na tentativa de amenizar a situação, repetia pr'um amigo todos os dias: "that's the way life is!"
Repetia até se convencer...
E era desse jeito mesmo que iam as coisas: 300 mil lágrimas de cada vez.
E lhe parecia que ia continuar assim. Se bem que poderia mudar. Poderiam ser 10000 de lágrimas de cada vez!
Por que não amanhece de uma vez?!

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Filosofias Eternas de uma Mente Transbordando de Lembranças


Às vezes eu sinto como se tivesse vivido a minha vida inteira sôb a sombra de alguém. É como se esse alguém tivesse um brilho maravilhoso que chamasse a atenção de todos, e como eu não soubesse brilhar, me escondi para não passar vergonha.
Vejo pessoas que amo conseguindo coisas que nós sonhamos juntos em ter, e que eu só não consegui por falta de brilho, ou, verdadeiramente, por pura incompetência mesmo.
Fui parte de um jogo amoroso, onde só fui o centro por parecer com o núcleo. E foi a última vez que fui o centro... E fui o centro sem ser o núcleo...
Descobri uma forma diferente de compartilhar a dor: comigo mesma! O mundo está muito ocupado com seus próprios problemas, e eu tento não ser tão egoísta ao ponto de querer que ele fique com os meus também!
Levei uma "bicuda" da vida, e ainda estou "catando fichas"...
Percebi, no meio de um processo gravitacional, que existem coisas no mundo das quais eu não posso mais ficar longe (e eu não estou falando apenas dos "meus filhos"). Meus anticorpos não estariam estruturalmente bem preparados para suportar tal afastamento!
Descobri que o vermelho, antes reluzente, tende a ficar opaco, e a passar despercebido.
Cheguei à conclusão de que o mar é a criatura mais perigosa do mundo, e que todos nós sabemos disso, mas, mesmo assim, participamos desse covarde e desleal jogo de sedução.
Percebi que instabilidade é a única característica visível em mim, e que isso me deixa cada vez mais vulnerável.
Passei por situações suficientemente interessantes que comprovam a minha teoria de que, por mais que estejam todos aqui, eu ainda estou completamente sozinha: no primeiro almoço na Subway do ano e no primeiro cinema do ano estavam eu, eu, eu, e mais eu, e também eu, com mais eu e eu. Se não me engano eu também estava lá. Já falei que eu também estava?!
A Subway me parece agora tão melancólica...
Nã há um só dia em que eu não deixe aquele líquido escapar dos meus olhos, visível ou invisívelmente...
De jujubas a ovomaltine: Minhas drogas estão diferentes, e mais caras!
Continua me doendo um peso de morte. Como diriam os filósofos do Biquini Cavadão: "Como é difícil viver carregando um cemitério na cabeça!"
Alguns dos meus destinos estão completando primaveras. Um deles é exatamente hoje (dia 13)! Outro não completará uma primavera tão florida assim...
Ai, as primaveras! Tão sem flores! Tenho medo de como será a minha...
Engraçado, tenho a impressão de estar vegetando. E acho que o pobre Roberto Gregório está criando raízes junto comigo...
Às vezes preciso de mais do que um empurrãozinho pra funcionar. E sinto que ainda estou parada! E como diriam os filósofos do Good Charlotte: "I'm lost and I know this" (tradução para os milhares de fãs que lêem o meu blog e não entendem inglês: "Estou perdida e sei disso!")
Um passo interessante na minha vida está para ser decidido pela conveniência entre duas amigas. (Não sei se quis ser irônica, nem se essa conveniência vai ser boa ou ruim pra mim!)
Estou num momento de perseguição vampiresca, no qual olhos brilham vermelhos num cartaz de ônibus. E agora, outros olhos!
Algumas vezes é difícil quando você diz uma coisa e as pessoas não entendem, ou acham que essa coisa não é tão grande assim, sendo que ela pode ser bem maior do que se possa imaginar.
Como diriam os filósofos do Audioslave: "Be yourself is all that you can do!" (tradução para os milhares de fãs que lêem o meu blog e não tão nem aí para a língua falada na terra do "Tio Sam": "Ser você mesmo é tudo que você pode fazer!"). Mas se você não sabe bem quem você é, então essa filosofia não vai servir de muita coisa. Daí você pode usar essa filosofia aqui: "Você é o que você faz, e você pode se recriar a cada segundo da sua vida!" Mas como eu não sei o que estou fazendo, volto a estaca à zero.
Já não carrego mais a culpa do mundo nos ombros. Não que eu não me sinta culpada, mas é que mudou tanta coisa aqui dentro que estou tentando carregar uma culpa de cada vez. Uma delas, a da primavera sem flores, continua tão pesada...
Chega um momento da sua vida em que você sente que nem todos os abraços do mundo vão poder levar sua dor embora. Mas mesmo não sendo boa em matemática, eu multiplico os de todos os meus amigos, por que se você não pode curar a dor, você pode ao menos amenizá-la. E abraços de amigos, e ainda por cima multiplicados, são um anestésico que vem funcionando durante anos. A eficácia é comprovada!
E como diriam os filósofos do LINKIN PARK: "The journey is more important than the end or the start!" (tradução para os milhares de fãs que lêem o meu blog e que querem mais é que o inglês vá pra p* que o pariu: "A jornada é mais importante do que o fim ou o começo!"). O que sgnifica que eu vou ter que aguentar um pouco mais, pois disse certa vez o filósofo Aaron Eckhart em Batman_O Cavaleiro das Trevas: "A noite fica bem mais escura antes de amanhecer. E eu prometo que já vai amanhecer!"
E nessa "jornada", vou aguardando ansiosamente o "amanhecer"!