quarta-feira, 23 de julho de 2008

Releitura de mim


Eu sou feita de música
Música que ninguém contou
Música que todos sabem
Sou feita de palavras soltas
Alinhadas na devassidão do desejo
E novamente espalhadas pela ânsia do recolhimento
Sou princípio do que não houve e fim de quase tudo
Sou parte da vida de todo mundo
E da de ninguém
Aproveitamento do mal
Enriquecimento do bem
Provérbio mal escrito
Verbo sem conjugação
Substantivo comum
Impróprio para muitos
O poder da decisão
Tenho as mãos manchadas de sangue
Carrego a culpa de centena de mortes
Sou procura insensata
Encontro fatídico
Vírus inofensivo
Cura improvável
Sou roteiro inacabado
De fotografia incerta
Numa ação dramática
de Poemas Outros Trazidos feito Canção
de Lugares Omitidos de Tempos Remotos
de Loucuras Próprias
Sou medo de mim
Solidão certa
Indefinido tempo
Artigo indefinido
Lição de moral
Imoralidade escapando pelos poros
E retraindo-se outra vez
Medo do talvez
Dor insensata
Mania irremediável
Conceituação irregular
Medo do escuro
Fábula inssossa
Letra e música
Árvore de raízes profundas e frágeis
Animal escondido e acuado procurando redenção
Poço de lágrimas
Imensidão de mundo
Exagero de sentimentos
Um alter ego gritante
Força absoluta
De uma fraqueza insolucionável
Medo de todos
Imprecisão assustadora
Detalhes de tudo
Conhecimento do nada
Sou filme, música e dor
O mar arrebentando em mim
Sou a luta e a fadiga
O controle e a indecisão
Resto de mundo e começo de universo
Uma vida contada
Um segredo escondido
A loucura revelada
O eu e o outro
Mais o outro do que eu
Eu...

Um comentário:

Dona do Caos disse...

vc é tão louca ou mais que eu...
adorei.
risos
mto bom...